“O projecto Juntos pela Inclusão seria uma benção para as famílias”

“O projecto Juntos pela Inclusão seria uma benção para as famílias”

“Seria uma ajuda sem preço e quase milagrosa”


Tarde ensolarada, em tempos de crise. Pouca mobilidade dos transeuntes. Os poucos que se fazem às ruas estão mascarados. É o famoso coronavírus a impor a sua ordem mundial. Gente com falta de um pouco de tudo num país que ocupa os lugares cimeiros do ranking das nações mais pobres do mundo, é forçada a ficar em casa ou a gastar os parcos recursos na aquisição de máscaras. Na cidade de Chibuto, província de Gaza, sede distrital com o mesmo nome, muitas lojas estão encerradas e os movimentos são mínimos. O simples exercício de compra de água para refrescar a garganta, em alguns bairros parece um dilema. Estamos na Célula Savene, cidade de Chibuto, apesar dos contratempos, como colaboradores da Livaningo insistimos em proceder com algumas visitas domiciliárias.

A primeira visitada é Elisa Macamo. Sentada numa cadeira plástica contempla o horizonte como quem procura uma bóia de salvação. Os seus olhos parecem saudáveis mas não enchergam. “A minha visão funciona com intermitências. As vezes vejo, outras tantas vezes não,  mas o meu maior dilema está na mobilidade. Os pés inchados já não me deixam caminhar”, queixa-se.

A sua aparência não anuncia grandes “tempestades” mas quem escuta por perto os seus dilemas curva-se perante a sua capacidade de resiliência.

Numa manhã de um passado recente, decidiu fazer uma consulta, numa unidade sanitária local, uma vez que se queixava de dores no peito. Contudo, o que era suposto aliviar o sofrimento, transformou-se num autêntico pesadelo. Elisa Macamo, 66 anos de idade, recebeu 60 injecções que, muito longe de resolver o problema, trouxeram outros mais graves. Logo após a injecção das vacinas, a idosa perdeu a visão e a capacidade de movimentar-se. “Perdi autonomia, a minha machamba já não produz milho e outras culturas alimentares porque estou incapaz de trabalhar com a enxada, o instrumento de trabalho de toda uma vida”, conta lavada em lágrimas.

A visita dos colaboradores da Livaningo que escutam constrangidos o drama da Elisa Macamo, enquadra-se no âmbito do projecto “Juntos Pela Inclusão”, financiado pelos Amigos da Terra da Noruega, visando melhorar o nivel de vida das pessoas com deficiência, através do Ministério das Relações Exteriores da Noruega, com o objectivo de realizar um estudo de base sobre a situação sócio-económica de pessoas com deficiência nas áreas a serem abrangidas pelo projecto e; criar uma base de dados de pessoas com deficiência nos distritos de Mandlakaze e Chibuto.

Confrontada com a possibilidade de criar o próprio negócio, Elisa mostra-se entusiasmada: “Seria uma ajuda sem preço e quase milagrosa. Preciso desesperadamente de uma fonte de sustento, para por exemplo, passar a dispor dos 200 meticais para pagar o transporte rumo às consultas médicas”, argumentou. 

“O projecto Juntos pela Inclusão seria uma benção para as famílias”

Tudo começou com um incidente na década 80, que a forçou a procurar os serviços de saúde, mas a emenda foi pior que soneto. “Tive uma queda que fracturou um pouco a coluna, fui ao Hospital Central de Maputo para fazer uma operação mas após a cirurgia já não conseguia mais caminhar e fazer alguns movimentos”, contou Alice José, 48 anos de idade que só conta com ajuda  da mãe, Elisa Macamo que, por ironia do destino também diz que desde o ano passado já não anda, arrasta-se. “É a sina que carrego”, sentencia. Não lembra que idade tem, mas estima que já passou da faixa  etária dos 70 anos. “Por causa das minhas limitações já não  consigo ir à machamba.”

O agregado familiar da Alice e Elisa, filha e mãe respectivamente, é composto por sete membros, onde só uma mulher faz pequenos trabalhos remunerados. “Dependemos da ajuda dos vizinhos. Mesmo a casa que temos foi construída pela Cruz Vermelha que sentiu por nós”, disse Elisa para depois acrescentar que um projecto que olha para as minorias seria como uma bênção para a sua família e outras tantas no distrito de Chibuto.

 

Comments

comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *