SIEMENPUU em Visita a Moçambique

SIEMENPUU em Visita a Moçambique

No âmbito da parceria entre a fundação SIEMENPPU, a Livaningo e o FOMMUR, decorreu entre os dias 20 a 29 uma visita de cortesia e monitoria aos projectos da Livaningo.

A Fundação SIEMENPUU é uma organização de comunicação de desenvolvimento Finlandesa que fornece apoio a iniciativas ambientais e de democracia à diferentes atores da sociedade civil dos países do Sul. Os projetos apoiados por SIEMENPUU estão combatendo a pobreza e a desigualdade e reduzindo a perda da diversidade biológica e das emissões climáticas em vários países como o Brasil, Nepal, Myanmar e Moçambique.

Em Moçambique esta fundação tem apoiado algumas organizações da sociedade civil particularmente em projectos ligados à agricultura de conservação e soberania alimentar. A Livaningo e o FOMMUR implementam com a SIEMENPPU o projecto denominado Direitos da Mulher a Terra e Resgate dos Sistemas Tradicionais de Produção Agrícola”. Este projecto apoia cerca de 300 mulheres nos distritos de Malema e Ribaué com visa a impulsionar a apropriação e réplica de métodos de produção agrogeológica, bem como imponderar as mulheres rurais, de modo a garantir os seus direitos a Terra e demais Recursos Naturais.

A visita as comunidades decorreu em 4 associações de mulheres rurais beneficiarias do projecto, nomeadamente associação de Nakitho e associação Ovucula Ohauwa ambas da localidade de Matharia no distrito de Ribaué e a associação Omaliha Ohauwa de Lotiwa e Namipawa- Sede, estas do distrito de Malema. Em sua intervenção a representante da SIEMENPUU “Kirsi Chavda” procurava perceber estilo de vida das mulheres, as dificuldades enfrentadas no dia-a-dia, e as perspectivas para o futuro em relação a produção agricola.

Esta em sua análise elucidou a importância de garantir o uso das técnicas de agroecologia no cultivo de hortícolas, cereais e tubérculos de modo o aumento da produtividade das mulheres conduzindo assim ao alcance da segurança alimentar e melhoria das diversidade alimentar das crianças.

Por outro lado afirmou também ser importante olhar para o tema das sementes nativas com maior atenção pois aos poucos e devido aos diferentes sistemas de produção existentes os camponeses e camponesas estão a perder a cultura de conservação de sementes nativas.

Para a oficial de Projectos da Livaningo Joana Nhassengo já são notáveis algumas mudanças positivas do projecto pois para além da componente de produção agroecologia as mulheres foram capacitadas em diversas matérias e tem usado estes novos conhecimentos no seu dia-a-dia, elas afirmam por exemplo que a questão do género já é discutida com os seus cônjuges e estes até já ajudam em algumas tarefas domésticas. De igual modo as mulheres estão mais conscientes sobre a gestão dos recursos naturais e o seu papel para a preservação dos mesmos.

Comments

comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *